Esse blog é uma verdadeira caixa de retalhos, escrevo tudo o que quero, lê quem quiser e comenta quem acha alguma coisa.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

O Poder das Palavras

Eu realmente acredito no valor e no poder das palavras. Mas palavras escritas, as faladas se perdem no ar e somem no vento.

Gosto das palavras escritas, pois elas guardam algo de eterno nelas. Uma vez escritas no papel só se destroem caso agentes externos o façam. Mesmo assim estão ali, eternas...

Se estão escritas em bytes, em caneta, em lápis, seja o que for, mas são marcas que não se apagam facilmente.

Quando você fala algo para uma pessoa, diversas interferências podem acontecer na comunicação, ou é um ruído que acontece no meio da conversa, uma interrupção de qualquer natureza que tira o foco do assunto e algo se perde.

Uma vantagem da linguagem falada é que você pode expressar os sentimentos, único ponto que a palavra escrita perde... Se é na internet tem os emoticons para dar conta dessa parte.

Ainda sou do tempo das cartas e nesse ano tive que recorrer a elas para dar conta de assuntos de família que eu não teria coragem suficiente para dizer "na lata" da pessoa. Escrevi cartas então. Sim, daquelas de envelope, selo e tudo. Quase não se faz mais isso.

O que estou querendo dizer é que nesses dois casos, a carta funcionou, surtiu o efeito desejado. Expus a minha idéia e a pessoa atendeu, viu que era real a minha preocupação e a minha decepção com as atitudes dessa pessoa.

Escreva cartas quando tiver algo "entalado" para falar, tem grande chance de dar certo!



quarta-feira, 21 de maio de 2008

Amigas

Ultimamente tenho começado a dar mais valor às minhas amigas... Tenho ligado, conversado no MSN combinado programas, almoços, jantas com elas... É importante mantermos os vínculos de amizades próprios mesmo depois de casarmos. É um grande erro que as mulheres cometem depois que começam a namorar, se casam...

Esquecer as amigas...

A gente acaba ficando amiga das esposas dos amigos do marido, não é verdade? Mas esse tipo de amizade é algo mais forçado, podem tanto sair grandes amizades como grandes antipatias dali...

Porque você não as escolheu, elas vieram "no pacote"... Não quero dizer com isso que sempre dê errado, mas a escolha não foi sua, foi algo imposto... Quando as amigas são suas, foi você que as escolheu ou elas te escolheram ou foi amizade à primeira vista... Também acontece...

Eu sou uma pessoa que tem poucos amigos, não sou daquelas pessoas que carregam bandos junto de si. Posso contar meus verdadeiros amigos nos dedos da mão, mas sei que desses, todos virão me ajudar no momento que eu precisar! Pelo menos assim espero...

Essas pessoas que andam com bandos podem contar com quantos desses num momento de desespero?

Sou uma pessoa extremamente leal nas amizades e espero o mesmo dos outros, brigo se alguém faz alguma coisa contra uma amigo ou amiga minha! Corto relações mesmo!

Tenho telepatia com minhas amigas... Quantas e quantas vezes eu precisava falar com uma amiga e ela me liga? Outras vezes uma amiga precisa falar comigo e eu entro justo na loja onde ela está? Isso é algo surpreendente, isso é sintonia!

Hoje em dia é cada vez mais raro pessoas nutrirem uma amizade por muito tempo, tenho uma amizade que já dura 16 anos e moramos em cidades diferentes, mas sempre damos um jeito de nos falar nem que seja por MSN.

Não vou dizer que há algum tempo atrás deixei de lado total as minhas amigas, mas me fez muita falta, o namorado que eu tinha já nem faz mais parte da minha vida, mas as amigas permanecem e estão sempre ali para ouvir os pepinos da gente e a gente para ouvir os delas...

Afinal, quando você conhece uma pessoa, você traz o seu passado na mochila e a outra pessoa também tem a mochila dela. Então porque a gente deixa a nossa mochila guardada no armário e só usa as coisas da mochila do outro?

isso acontece na grande parte das vezes com nós mulheres, nós temos o "dom" de deixar nossa mochila de lado. Depois que terminamos os relacionamentos, nossa mochila tá lá no canto, cheia de poeira. Tem coisas que ficam lá nos esperando, mas outras se estragam e não tem mais conserto... A gente tem que alimentar a nossa mochila de coisas novas e sempre procurar agregar outras...

Então meninas, vamos procurar as amigas do tempo de solteira, conversar por telefone, fofocar, mandar mensagens no celular, sair para almoçar ou jantar de vez em quando, olhar as vitrines, essas coisas que mulher adora e sabe muito bem fazer!

Já que nossos maridos ou namorados tem seus amigos, vamos ter as nossas amigas também, faz bem à saúde tanto nossa como do relacionamento também!




sábado, 10 de maio de 2008

Juventude Eterna - Martha Medeiros

Estava muito sem saber o que escrever eis que recebo esse maravilhoso texto por e-mail, que nos faz pensar sobre valores. O que é mais importante para nós?
O texto abaixo é de autoria de Marta Medeiros.

Essa história que eu vou contar agora aconteceu com uma mulher inteligente que estava fazendo uma palestra. Diz ela: 'Mês passado participei de um evento sobre o Dia da Mulher.

Era um bate-papo com uma platéia composta de umas 250 mulheres de todas as raças, credos e idades. E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi.

Foi um momento inesquecível...

A platéia inteira fez um 'oooohh' de descrédito.

Aí fiquei pensando: 'pô, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho?

Onde é que nós estamos?

Onde não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado "juventude eterna". Estão todos em busca da reversão do tempo.

Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas.

Há um outro truque que faz com que continuemos a ser chamadas de senhoritas mesmo em idade avançada.
A fonte da juventude chama-se mudança.

De fato, quem é escravo da repetição está condenado a virar cadáver antes da hora. A única maneira de ser idoso sem envelhecer é não se opor a novos comportamentos, é ter disposição para guinadas.

Eu pretendo morrer jovem aos 120 anos. Mudança, o que vem a ser tal coisa?

Minha mãe recentemente mudou do apartamento enorme em que morou a vida toda para um bem menorzinho. Teve que vender e doar mais da metade dos móveis e tranqueiras, que havia guardado e, mesmo tendo feito isso com certa dor, ao conquistar uma vida mais compacta e simplificada, rejuvenesceu.

Uma amiga casada há 38 anos cansou das galinhagens do marido e o mandou passear, sem temer ficar sozinha aos 65 anos. Rejuvenesceu.

Uma outra cansou da pauleira urbana e trocou um baita emprego por um não tão bom, só que em Florianópolis, onde ela vai à praia sempre que tem sol. Rejuvenesceu.

Toda mudança cobra um alto preço emocional.

Antes de se tomar uma decisão difícil, e durante a tomada, chora-se muito, os questionamentos são inúmeros, a vida se desestabiliza.

Mas então chega o depois, a coisa feita, e aí a recompensa fica escancarada na face.

Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna. Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho. Quem dá brilho ao olhar é a vida que a gente optou por levar.

Olhe-se no espelho...


*Texto de Martha Medeiros*




sexta-feira, 2 de maio de 2008

Apenas algumas comparações

Ainda estou sequelada do feriado, por mim hoje ninguém precisaria trabalhar, poderíamos fazer um feriadão coletivo! Sou a favor de feriados prolongados e acho que deveríamos ter mais feriados prolongados no ano.

Olha só que maldade esse ano não vai ter quase feriadão, é feriado em sábado e domingo que não acaba mais! Isso é maldade com os trabalhadores brasileiros!!!

Na verdade a gente reclama de barriga cheia sabia? Na China por exemplo, aquele país que dá exemplos de respeito ao meio ambiente, à liberdade de expressão das pessoas, à civilidade e à educação no trânsito. Um dos países que tem a melhor qualidade de ar em todo o mundo. Dá exemplo também de leis trabalhistas avançadíssimas.

Para terem uma idéia na China os trabalhadores não tem direito a férias NUNCA! Eles tem apenas 3 feriados prolongados, que são chamadas de "Semanas de Ouro" que é quando podem descansar. Estão agora tentando implantar um esquema de "férias". Então empregados com até dez anos de trabalho, terão direito à imensos 5 dias por ano de férias remuneradas; aqueles que tem entre 10 e 20 anos de serviço, dez dias e os que estão empregados acima disso a 15 dias por ano.

Esse é o mesmo país que utiliza mão de obra infantil, que ocupa há mais de 40 anos o Tibet e que exilou o seu líder político e espiritual Dalai Lama, que continua lutando pacificamente para libertar o seu país do jugo chinês.

É o mesmo país que sediará dentro em breve as olimpíadas e que para isso terá que suspender o funcionamento das fábricas no centro de Pequim para que possa melhorar (um pouco) a qualidade do ar respirado em Pequim.

É o mesmo país que trata as mulheres como seres desprezíveis e descarta crianças recém-nascidas se estas forem do sexo feminino, pois ter uma filha mulher como primogênita é considerado uma desgraça na vida de uma família.

É o mesmo país que sofre com a falta de mulheres, pois devido a esse "descarte" na idade adulta faltam mulheres para se casar.

É o mesmo país que tenta conter o aumento desenfreado da população e que limita ao número de um (1) filho por casal, com isso milhões de crianças deixam de ser registradas e muitas são abortadas ou abandonadas na tentativa de não ter uma desgraça dessas na família.

Até pouco anos atrás, o símbolo da submissão da mulher era a prática de impedi-la que desenvolvesse pés normais, por meio de bandagens e ossos quebrados para impedir o crescimento que lhes eram impostas desde os primeiros anos de vida. Esta prática iniciou-se nos anos da dinastia dos Tangs (618 - 907) e foi eliminada pelo regime maoísta. Os pés pequenos eram uma maneira de tolher-lhes a liberdade de movimento, de modo que a mulher ficasse praticamente presa em casa e a moça que não tivesse pés pequenos não era aceita como esposa.

Promovendo a política do filho único, o governo certamente não tinha a intenção de ressuscitar os conceitos feudais sobre a inferioridade da mulher, mas acabou por reforçar sua inferioridade e é isso que está acontecendo na China de hoje. Se um casal pode ter somente um filho, conseqüentemente vai querer um filho homem, sendo esta uma exigência cultural ainda profundamente arraigada no povo chinês. Se, por acaso, o bebê é menina, surge para o casal um gravíssimo problema ético e cultural: se ficar com ela, não pode mais ter o filho homem. A triste realidade é normalmente a morte ou o abandono da menina recém-nascida.

Esse não é o país onde eu gostaria de viver. E tem gente que ainda reclama do Brasil, acho que deveríamos nos informar melhor da situação em outros países antes de reclamar de tanta bobagem, como a falta de feriados prolongados nesse ano!



Fonte: http://www.pime.org.br/mundoemissao/demografiaunico.htm

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Festa Anos 80!

A Path, o Jean e eu estamos organizando para Setembro uma festa de aniver dos três (Agosto, Setembro e Outubro), com o tema Anos 80.

Estamos nos puxando desde já, na escolha das músicas, local, e tudo mais.

Com essas pesquisas, fomos relembrando algumas coisas sobre anos 80. Os brinquedos, principalmente, afinal éramos criança nessa época!

Vamos lembrar alguns?



Esse ursinho era o Angeloso, o Jean tinha um igualzinho a esse, muito fofo!




Ter um aquaplay era o sonho da maioria das crianças, mas muitas não tinham porque devia de ser muito caro, meus primos tinham vários, eu ia lá e fazia campeonato com eles, bons tempos...




Quem não jogou Atari não teve infância nos anos 80! Meu vizinho Rodrigo tinha e estragamos algumas vezes os controles jogando River Raid, Pac Man, Enduro (eu odiava correr na neve e de noite), nossa, velhos tempos!




O Boca Rica foi um dos brinquedos que eu e o Jean mais aproveitamos! A gente colocava moedinhas num buraquinho em cima e ficava olhando ele virar os olhinhos, quando enchia ele abria a portinha e a gente ganhava todas as moedas! Muito legal!





Quem me conheceu na infância sabe que nunca fui de brincar com bonecas, mas eu as ganhava sim. Eu se não me engano tinha uma dessas, nunca brinquei com elas de verdade.




Essa boneca bem-me-quer eu ganhei por volta dos 11 anos e daí comecei a me interessar por brincar com bonecas, mas logo abandonei elas, já não tinha mais idade (eu me achava adulta já).




Essas bonequinhas Chuquinhas tinha lá na vó, me lembro do cheirinho gostoso que elas tinham, hum, delícia... Com essas eu gostava de brincar...




Essa Boneca chamava-se Guigui, eu tinha uma dessas com esse vestidinho (igualzinho), com essa eu gostava de brincar pois a gente puxava os dois bracinhos dela para dentro e ela dava uma risadinha. Mas se for reparar bem ela tem uma cara de louca, né? Agora que me lembrei que me deram essa boneca pois eu tinha uma carinha parecida com a dela (putz!)





A Boneca da Xuxa tinha lá na vó, coitada, essa sofreu nas mãos dos netos e netas da Vó Odila!





Tive essa boneca Feijãozinho junto com a Bem-me-Quer, com essa também brinquei por volta dos 11 anos, não durou muito o encanto...




Como eu sempre brincava com os guris, eu adorava o Comandos em Ação, dava para virar as pernas e braços em cada posição maluca, essa era a parte mais legal da brincadeira!




Esse troço aí em cima era um pirulito que vinha com um pacotinho de um açúcar que estalava dentro da boca, todo mundo dizia que dava câncer, realmente doía aqueles estalos e machucava tudo o céu da boca, mas a gente comia porque era legal!





Meu Deus que boneco feio, mas o Fofão também era feio e todo mundo gostava dele!





Esses Mini Chiclets fazem falta, a gente comprava esses pacotinhos e enfiava inteiro na boca, delícia. Hoje em dia tem umas imitações no mercado, até com o pacotinho parecido...




Esse vídeo game era o concorrente do Atari, era legal pois tinha um teclado o jogo que mais jogávamos era uma espécie de forca. Meus primos tinham, eu sempre perdia para eles...




Peposo, esse urso meu irmão tinha, dava para colocar os dedões dele na boquinha, muito fofo, o Jean andava com ele para cima e para baixo...




Nossa, Playmobil, brinquei muito, todo mundo queria ter os ambientes, mas eram muito caros...




No meu aniversário de 9 anos eu pedi para todo mundo me dar dinheiro pois eu ia comprar um Pogobol, o meu era verde com roxo, pulei nele até furar!




O Ratinho mais fofo da Itália. Se eu não me engano tinha o programa do Topo Gigio na TV.




Prometi mundos e fundos para ganhar o Traço Mágico de Natal, devia de ser muito caro!




Esse brinquedo tinha lá na Vó (deve ter ainda), quase nunca conseguíamos brincar com ele pois as cordas estavam SEMPRE ENROSCADAS, me lembro de ter brincado umas duas vezes com ele uma no corredor do apartamento da vó e outra lá na Ginástica, ao ar livre. Era puxado brincar com ele, a gente ficava tudo doído no outro dia por causa da força que tinha que fazer para abrir os braços e levar ele para o outro lado. Mas era bom!


Nossa, estamos ficando velhos mesmo hein? Você lembrou de tudo isso? Tá ficando velho também!!!