Esse blog é uma verdadeira caixa de retalhos, escrevo tudo o que quero, lê quem quiser e comenta quem acha alguma coisa.

sábado, 6 de setembro de 2008

Não Mate os Animais

De antemão aviso que o texto que reproduzo abaixo NÃO é de minha autoria!

Texto publicado no Jornal Pioneiro - 03/09/2008
Autoria: Guilherme A. Z. Pulita

"Uma vez alguém me disse algo muito interessante. Não lembro quem, mas não esqueci o conteúdo: as pessoas que maltratam os animais têm uma morte sofrida, com muita dor. E sabe de uma coisa? Tomara que seja verdade. Algumas vezes penso nisso quando me deparo com crimes envoltos em violência demasiada e crueldade desmedida. Imagino se as vítimas tinham animais de estimação, como os tratavam? Será que eram daquelas pessoas que jogavam pedras nos cães e atiravam veneno no terreno do vizinho? Ou os que gostavam de acelerar os carros para os gatos serem mais velozes cruzando ruas e, com alguma sorte, atropelar algum?
Pena de morte para quem maltrata os animais. Depois de tantos anos, me acostumei a ver sangue, corpos, dor e lágrimas. mas não há como me habituar com o sofrimento de um bicho. Qualquer um. Gato, cachorro, passarinho e pingüim. Talvez porque eles não possam expressar o que sentem a não ser por uivos e grunhidos. por serem indefesos diante da maldade humana, ficarem carentes com o abandono e chateados pela falta de atenção.
No mês passado, por exemplo, vi uma cena que ainda não saiu da minha cabeça. Estava de carro, voltando para casa com a Pri. Já estava noite. Até fazia um pouco de frio. No final da Visconde, haviam quatro cães parados. Um deles caído, com as pernas curiosamente esticadas para o céu, junto ao meio-feio. Ao seu lado, sentados na calçada, outros dois olhavam para o 'cadáver'.
O último estava em pé do outro lado. Cuidava para que carros não estacionassem ali e não interrompessem o velório. Enquanto as pessoas passavam alheias à cena. Foram poucos os segundos em que meus olhos puderam testemunhar a triste realidade dos animais, mas o suficente para me embrulhar o estômago. Imediatamente, pensei se aquele cão, mesmo tendo morrido naquelas circunstâncias - atropelado e jogado para fora da pista quando cruzava a rua próximo a uma faixa de segurança - teria sido um bom animal de estimação.
E quem o atropelou? fez de propósito ou vítima de uma fatalidade? Será que ainda hoje ele tem remorso por ter atropelado o 'jaguara'? Pediu desculpas a Deus e tentou explicar que não viu o bicho cruzando a rua? Será que ele pensa em uma morte lenta, com muita agonia pela dor insuportável? Será que no dia de sua morte, seus amigos vão rodear seu caixão e derramar lágrimas sinceras?"

Meu comentário:
Bem, quem me conhece bem, ou nem tão bem, sabe o motivo de reproduzir tal texto na íntegra, e agradeço, mesmo sem conhecer, o autor do nobre texto pelas belíssimas frases.
Eu também não entendo como o ser humano pode ser capaz de tamanha crueldade, matar um animal por prazer? Para mim é inconcebível.
Igual ao autor do texto, também presenciei uma cena em que um cão velava o amigo, recém-atropelado (imagino eu), por um carro. O pior de tudo isso é que eu estava sozinha, a noite e muito longe de casa ainda. Quase não tinha mais condições de dirigir, mas como era noite e eu estava sozinha, tive que segurar as pontas, mas chorei no banho, quando cheguei em casa.
Depois dessa noite ainda vi um gato ser atropelado na minha frente, por um carro, que posso estar muito enganada, mas "mirou" o pobre felino. Que Deus dê uma morte à altura de tal motorista! Pra completar a noite, essa em que vi o atropelamento, quase atropelei um gato, dessa vez bem mais perto de casa, dei uma freada brusca e quase matei de susto a minha caroneira, mas o gato saiu ileso. Haja adrenalina para uma noite só.
Essas imagens, para quem as vê, ficam gravadas como tatuagem na memória.
Que Deus dê uma morte à altura de tais motoristas!

Um comentário:

ronald disse...

É, eu não compreendo como um ser que se diz ser humano é capaz de matar seres inocentes. Se o homem se julga no direito de viver a vida, por que privar esse mesmo direito aos animais? Nós não precisamos nos alimentar de carne para viver com saúde e longevidade.
Vamos mudar esse mundo e fazer daqui um espaço onde a VIDA seja preservada e reconhecida como algo sagrado, independentemente do corpo que habita.