Esse blog é uma verdadeira caixa de retalhos, escrevo tudo o que quero, lê quem quiser e comenta quem acha alguma coisa.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Desfragmentador de amores e relacionamentos

O título do post parece bem estranho, mas lendo algumas postagens de amigos no Facebook vi que a frase: - Quem eu amo não me quer. Está muito em voga atualmente.
Um monte de gente apaixonada por pessoas que nem notam a existência do reles mortal apaixonado. O que é uma pena...
Tá, mas onde entra a parte de desfragmentar? 
Quem já é mais velinho, já deve ter visto essa imagem, ao menos uma vez na vida.

 
Bom, vamos utilizar a imagem para entender a minha teoria, adoro criar teorias...
Os quadrados dourados podem ser as pessoas que estão casadas, namorando ou de bem com a vida sentimental. Elas não serão movidas, pois estão bem, nesse momento!
Os quadrados vermelhos são as pessoas que estão apaixonadas, notem que muitos quadrados vermelhos estão isolados.
Já os quadrados azuis são os solteiros que estão curtindo, não querem nada com nada.
Os roxos podem ser pessoas que já disseram adeus à vida sentimental, seja pelo motivo que for.
Pois bem, os quadrados vermelhos estão apaixonados por quadrados azuis, por quadrados dourados ou por outro quadrado vermeho, que por sua vez não está apaixonado por ele.
Ficou confuso?
A ideia é praticamente esta:

QUADRILHA

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
Carlos Drummond de Andrade

É triste ver o bando de gente que anda suspirando pelas pessoas erradas, eu gostaria de ter um desfragmentador para poder unir os quadradinhos nos lugares corretos, ajustar as peças para que todos ficassem felizes, mas talvez assim a vida ficasse tão chata e sem emoção, né?
Só sei que o Ser Humano é um eterno insatisfeito... 

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Tudo vem a seu tempo...


Como somos apressados, queremos tudo para ontem e quando o "tudo" chega, ficamos olhando para frente procurando por mais alguma coisa...
O ser humano é, em sua essência, um eterno insatisfeito.
Mas quando se aguarda ser chamado em um concurso, por exemplo, o tempo parece demorar ainda mais... Mas em uma ocasião uma amiga espírita me disse: 
- Tudo vem a seu tempo... Se demorar é porque tu ainda tens aprendizagens a passar para que, quando vier o que tu desejas, saibas aproveitar e valorizar...
Tenho certeza de que ela está certa... Tudo vem a seu tempo, mas poderia vir mais rápido? Não, não poderia, vai levar o tempo necessário, o tempo exato para que eu saiba dar valor, para que eu aprenda as coisas que serão necessárias na nova etapa. Resta aceitar o tempo, aceitar a demora e ir aprendendo o necessário para seguir adiante...

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Trabalho na Produção


Atualmente a cadeia produtiva encontra um verdadeiro "apagão" de mão-de-obra qualificada, isso não é nenhuma novidade. Mas questiono-me os motivos para tanto. Passo a analisar a atual geração e como ela foi cunhada.
A famosa Geração Y é filha de pais que viveram uma época em que o Brasil estava tornando-se industrial. Trabalhavam na época das grandes reestruturações dos anos 80, foram demitidos por corte de pessoal, trabalhavam em condições insalubres e sem direito a reclamações, pois poderiam perder o tão raro emprego. A imagem que essas pessoas tinham da empresa onde trabalhavam era de que o trabalho era um mal necessário e trabalhavam, muitas vezes em locais dos quais não gostavam, apenas pelo salário.
Esses trabalhadores, que hoje são pais, incutiram na mente dos filhos que o trabalho deve ser melhor do que o deles, de modo que trabalhar na produção de uma empresa, é algo para quem não teve estudo. Os filhos devem procurar trabalhos administrativos e onde serão reconhecidos.
Recebo todos os dias pessoas buscando uma colocação na área administrativa, como se ela fosse mais fácil, menos pesada, como eles mesmo denominam. No entanto, com as tecnologias presentes nas indústrias, o trabalho operacional pode ser leve também e menos estressante, pois a pressão é ditada apenas pelo ritmo de produção, que dificilmente é acelerado. Nada parecido com as imagens do famoso filme de Charles Chaplin - Tempos Modernos.
Em suma, há vagas para trabalhadores da área produtiva aos montes e com salários iniciais bem superiores aos da área administrativa, basta querer!

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Ressurgindo das cinzas


Andei sumida por uns tempos, depois de uma demissão, há um tempo de recolhimento, onde não queremos muita exposição até que as coisas voltem ao normal. No entanto, tudo o que acontece na nossa vida tem um motivo maior para ser, apesar de muitas vezes não sabermos, há sempre algo melhor lá na frente. No final tudo dá certo e se as coisas ainda não deram certo é porque o fim ainda não chegou.
Uma oportunidade apareceu para mim e não teria aparecido se eu não tivesse perdido o emprego, pois não teria me cadastrado na agência de empregos que hoje é minha e de uma sócia. 
Naquele dia em que fui demitida, fiquei revoltada, achei que seria uma tortura deixar aquele lugar, mas aos poucos fui me animando com a ideia de ter novos ares, mas nunca imaginei que algo dessa magnitude pudesse vir para mim. Foi necessário um momento de recolhimento, que serviu como aprendizado, me voltei à minha terapia e fui fazer o exercício que mais gosto, natação. Ao sentir-me bem comigo mesma, o universo passou a conspirar a meu favor e tudo aconteceu.
Se hoje as coisas não estão dando certo na vida é porque esse período é necessário para o aprendizado e para dar o devido valor quando a verdadeira conquista vier ao seu encontro. Sabe aquela história da porta fechada e a janela aberta, é bem isso.